Problemas respiratórios e asma: cuidados para o tratamento devem começar na infância

 

Basta uma pequena mudança climática para os primeiros sintomas de problemas respiratórios aparecerem: coriza, dor de garganta, dor no ouvido, febre e cansaço.Nas crianças, esses indícios de resfriado ou gripe são mais comuns e acentuados por conta do baixo sistema imunológico. Além das viroses, outras patologias mais graves, como a asma, se acentuam em determinada épocas do ano sempre associadas ao clima.

Dificuldade na respiração, falta de ar, sintomas alérgicos, tosse seca, chiado e sensação de opressão no peito. Esses são os principais sintomas da asma (bronquite ou bronquite asmática), doença vista hoje como síndrome (por ter várias etiologias) e que atinge parcela significativa da população no mundo, sendo responsável por média de 400 mil internações hospitalares por ano. Essa patologia crônica que atinge os pulmões e as vias aéreas se manifesta principalmente na infância e, se não tratada, pode trazer complicações ao paciente. O dia 21 de junho de cada ano busca alertar sobre os cuidados para conviver com a doença.

A causa da asma é multifatorial. Pode estar relacionada a fatores genéticos, ambientais, fumaça de cigarro, poeira doméstica e ácaros, por exemplo. A doença se manifesta por outros fatores: infecção das vias respiratória causada por vírus, através do uso de medicamentos e outros. Outro fator que pesa é o da hereditariedade, tornando os filhos suscetíveis à doença. O tabagismo é um outro fator muito presente, devendo ser evitado.

“Infelizmente, não existe cura para a asma ainda, mas o paciente pode conviver tranquilamente com a doença tomando alguns cuidados básicos. Além do uso correto das medicações, deve-se sempre estar em alerta quando as crises aparecerem, sempre aconselhamos evitar o contato direto com os fatores desencadeantes como poeira doméstica, pelos de animais, perfumes fortes, cheiro de certos produtos de limpeza. Ao evitar essa exposição, o paciente pode conseguir manter a doença sob controle”, alerta Dr. Bernardo de Paiva Jr, especialista em pneumologia da Clínica Alberto Lima.

Quanto ao tratamento, ele é preventivo e para o alívio imediato das crises: uso de medicamentos em spray (bombinhas), tratamentos a longo prazo, como corticoides inalatórios, fisioterapia respiratória, controle das co-morbidades e em alguns casos, as vacinas.

Asma infantil

Nas crianças, os cuidados devem ser redobrados. Segundo o Ministério da Saúde, a maior parte das internações registradas por asma, é em crianças. Asma noturna e mudanças de temperatura chamam atenção de especialistas no tratamento infantil. Acredita-se que a asma noturna acontece devido ao aumento da exposição aos alérgenos, ao resfriamento das vias aéreas, a posição reclinada ou até mesmo pelas secreções hormonais. O choque de temperaturas é uma mudança bastante agressiva para quem tem as vias respiratórias mais sensíveis, como as crianças com asma infantil. A mudança do calor para o frio pode desencadear uma resposta na mucosa brônquica que, por meio de estímulos nos receptores nervosos de temperatura ou pela liberação de substâncias alergênicas, pode desencadear uma crise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial