Qual a relação de distúrbios do sono com dor crônica?

Já é consenso que dormir bem é importante não apenas para garantir mais qualidade de vida, mas também para evitar complicações de disfunções já existentes em nosso organismo. Diversos estudos já comprovaram que a falta de sono aumenta riscos em cardiopatas, causam danos cognitivos em pessoas já afetadas por doenças relacionadas a este tipo de perda, e piora crises em portadores de dor crônica.

De acordo com a Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED), quase 50% dos pacientes com o diagnóstico de dor crônica possui algum transtorno relacionado ao sono.

Segundo Dr. Claudio Fernandes Corrêa, neurocirurgião mestre e doutor pela UNIFESP e especialista em dor pela Associação Médica Brasileira (AMB), “a dor, por si só, já dificulta o relaxamento adequado do indivíduo para o sono, aumentando quadros de estresse físico e emocional, e gerando um ciclo vicioso para gatilhos de crises dolorosas e insônia”.

Isso ocorre porque o sono tem um componente de ação para o equilíbrio do sistema neurológico e imunológico como um todo, com atuação sobre a liberação do hormônio cortisol, ligado às funções de controle de processos inflamatórios e estabilidade emocional, por exemplo.

Neste sentido, tratar a dor crônica é importante para obter a melhora da qualidade do sono. Mas para que este tratamento seja efetivo, se faz necessário a integração de terapias medicamentosas, físicas e mentais, trabalhando o equilíbrio do corpo e da mente. É onde fisiatras, fisioterapeutas, psicólogos e psiquiatrias se unem com neurologistas, reumatologistas e outros especialistas, somando orientações dentro de suas áreas e das necessidades individuais de cada paciente.

Quando todas as medidas convencionais não surtem efeito para o controle das crises de dor, o paciente ainda pode ser indicado para procedimentos cirúrgicos ablativos, neuroamentativos ou minimamente invasivos de acordo com a doença de base ou da região afetada pelo quadro de dor. Entre eles estão: implante de bombas de infusão com opioides ou cirurgia sobre fibras nervosas sensitivas da medula espinal para a redução da percepção da dor, realizada por meio de lesão/ablação por radiofrequência.

“A partir deste arsenal de tratamentos é possível obter grande percentual de controle da dor, que colaboram para a regulação do sono dos pacientes e para o estabelecimento de um novo ciclo, agora de benefícios para o paciente”, conclui Dr. Claudio Corrêa.

Para saber mais sobre o universo das dores crônicas, seus mecanismos de ação em diferentes doenças e linhas de tratamentos, acesse: http://bit.ly/2KXVwHa

 

Dr. Claudio Corrêa

Com mais de 30 anos de atuação profissional, Dr. Claudio Fernandes Corrêa possui mestrado e doutorado em neurocirurgia pela Escola Paulista de Medicina/UNIFESP. Especializou-se no tratamento da dor aliado a neurocirurgia funcional pela Associação Médica Brasileira (AMB), sendo umas das principais referências no Brasil e no Exterior.

É também o idealizador e coordenador do Centro de Dor e Neurocirurgia Funcional do Hospital 9 de Julho, serviço que reúne especialistas de diversas especialidades para o tratamento multidisciplinar e integrado aos seus pacientes.

Currículo Lattes:  http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4734707Z5

 

Dr. Claudio na Web:

Site: www.claudiocorrea.com.br

Facebook: https://www.facebook.com/dr.claudiofernandescorrea

Instagram: https://www.instagram.com/dr.claudiocorrea/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *