Primeira Jornada

Ézio “Palestrinha” Rodrigues

A uma semana do grande evento que foi o UFC 233 Fortaleza, estava na casa da minha namorada curtindo o domingo de descanso. Aproveitando o momento em que estávamos descansando, pedi para acessar meu e-mail em seu computador. Passei por muitas mensagens e nada que chamasse minha atenção até que numa dessas vi um oficio enviado pelos organizadores do UFC Fortaleza, dando o aval para cobrir o evento.

Nesse momento minha mente parou naquilo. Para mim o UFC era um evento que estava pouco fora da realidade desse simples jornalista, mas a vida é cheia de surpresas não é caros leitores?

Na noite do evento, há poucas horas antes de seguir para o CFO (Centro de Formação Olímpica) as mãos estavam suando, e o coração disparando, era começo de uma etapa que para muitos colegas é só mais uma jornada esportiva, para mim era a minha primeira. No momento em que cheguei ao local onde os jornalistas estavam trabalhando, me dei conta que aquilo que estava acontecendo não era um sonho, mas a minha nova realidade.

Acompanhado do meu colega de jornal Carlos Emanuel na sala de imprensa, começamos a discutir como estava o desempenho de cada um dos brasileiros que participaram do card. Vimos que muitos deles deixavam os expectadores e nós jornalistas cheios de orgulho, um exemplo disso foram os lutadores Johnny Walker, Charles de Bronx e Markus Maluko, que foram os destaques da noite com nocautes e imobilizações de tirar o fôlego, como também foram destaques na simpatia ao responder nossas perguntas de tão boa vontade mesmo depois de terem terminado suas obrigações com a imprensa, isso me cativou muito.

Com o desenrolar das lutas foram acontecendo à informação tinha de ser passada na mesma hora, tanto eu como Carlos sentimos na pele como era corrido uma jornada esportiva. Numa hora estávamos entrevistando os lutadores, na outra no computador passando os vídeos para redes sociais e na última hora estávamos finalizando os textos que seriam passados aos ouvintes do Na Arquibancada, projeto no qual éramos seus representantes.

No final do evento cumprimentei os colegas que participaram do UFC, muitas experiências eu vivi nesse dia. Foram erros e acertos que aconteceram, mas o que valeu mesmo foi ver como eu me sentiria num dia de cobertura, e saio da sala de imprensa ainda mais convicto de que aquele dia seria o primeiro de muitos dias que viram para mim como jornalista em uma jornada esportiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *