GASPARINA GERMANO – 100 anos. A DAMA DO TEATRO CEARENSE

A vida cultural de um povo é uma de suas maiores riquezas e o Ceará rico em patrimônios culturais traz sua identidade teatral calcada na movimentação de seus artistas em mais de 2 séculos de história. Possuímos trajetórias de excelência nas artes cênicas, que nos orgulham e nos dá norte para o hoje. Inserido nesse contexto e acreditando no reconhecimento e valorização de nossos grandes mestres do fazer teatral, apresentamos uma ação concreta e restauradora, que celebra e rememora a história de 100 anos da prima-dona do teatro cearense, a atriz GASPARINA GERMANO. Tendo como parceiros a Associação dos Produtores Teatrais do Ceará, Cia Cearense de Molecagem e Secretaria de Cultura do Estado do Ceará.

Nossa diva Gasparina

Gasparina de Sousa Germano (Baturité/CE, 1918 – Fortaleza/CE, 1998) estreou no Teatro José de Alencar em 1923 sob a direção de Paurilo Barroso no bailado O Camponês Apaixonado. De 1926 a 1928, integrou a Troupe do Pequeno Edson, formada por atores mirins (Édson, Pedro, Margarida, Nadir, Gasparina e Lourdes), que excursionou pelo Brasil e conquistou o sucesso de público e o reconhecimento da crítica especializada no Rio de Janeiro e em São Paulo, apresentando sapateado, música, declamação e cenas de curta duração. Depois, nas décadas de trinta e quarenta do século XX, manteve seu prestígio de atriz, protagonizando burletas, operetas, comédias, dramas e melodramas.

Em função de seu carisma e em decorrência de sua personalidade controversa, Gasparina foi, no movimento teatral cearense, uma das poucas atrizes que conheceu o estrelato, A partir de meados dos anos cinqüenta, no entanto, já sem exercer a profissão, percorreu intensos descaminhos na sua vida pessoal e em 1998 morreu, sem o devido reconhecimento e amparo de instituições públicas.

É, portanto, oportuna e bem-vinda a iniciativa de dar continuidade com o Troféu Gasparina Germano para homenagear esta artista cuja trajetória se tornou um símbolo da história do nosso Teatro. Celebrar 100 anos de Gasparina Germano com esta homenagem, Fortaleza – cidade que chega ao século XXI tão expatriada de seus espaços históricos e tão exilada de suas figuras emblemáticas – faz em relação a Gasparina um retardatário mea-culpa e um pleito de justiça. Que este gesto seja, por conseguinte, um alerta a nos lembrar que por trás das personas existem as pessoas e que em fascínio e esplendor nem sempre a vida imita a arte.

Ricardo Guilherme.

Entre 8 e 11 de Novembro de 2018, o Teatro da Praia apresenta uma programação completa de exposição, música ao vivo, leituras e teatro cearense, comemorando os 100 anos da mais importante atriz da Terra da Luz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *