Exportações cearenses em 2018 batem recorde e somam US$ 2,3 bilhões

Em 2018, as exportações  cearenses somaram US$ 2,3 bilhões – atingindo mais um recorde -, significando crescimento de 10,7 por cento em relação a 2017. Já as  importações, no mesmo período, totalizaram US$ 2,5 bilhões, registrando aumento de 13,0 por cento. Com isso, o saldo da balança comercial cearense encerrou o ano de 2018 negativo em US$ 205 milhões, déficit maior do que o verificado no ano passado, porém o segundo menor valor dos últimos dez anos. A corrente de comércio somou o valor de 4,86 bilhões em 2018, quebrando o recorde do ano de 2016, sendo, portanto, o maior valor de toda a série histórica disponível no Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

A participação das exportações do Ceará no total nacional, no período de 2015 a 2018, apresentou elevação, passando de  0,55 por cento em 2015 para 0,70 por cento em 2016 e para 0,97 por cento em 2017, mantendo essa participação também em 2018, sendo o maior valor da série. Comparando com as exportações no total do Nordeste, o resultado cearense aumentou ao longo dos quatro anos, passando de 7,13 por cento, em 2015, para 12,55 por cento, em 2018. O desempenho das importações do Ceará no total do Brasil registrou ganho em 2016, comparado a 2015, atingindo o maior valor de 2,53 por cento. Os dados estão no Ipece Informe (nº145) – Fevereiro/2019, publicado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece).

De acordo com o documento, elaborado por Alexsandre Lira Cavalcante, analista de Políticas Públicas, e Ana Cristina mais, assessora Técnica, ambos da Diretoria de Estudos Econômicos (Disoc) do Ipece, as exportações cearenses de Produtos Metalúrgicos continuam crescendo, quando em 2018 atingiu o valor de US$ 1,3 bilhão, respondendo por 59,22 por cento do total exportado pelo estado. O principal produto exportado desse grupo foram “semimanufaturados de ferro ou aço não ligado, de seção transversal retangular, que contenham, em peso, menos de 0,25 por cento”, com participação de 81,4 por cento. O volume exportado pela  CSP influenciou fortemente o setor metalúrgico nacional. Atualmente, o Ceará é o maior exportador nacional do produto citado anteriormente.

GRUPOS

O grupo Calçados foi o segundo mais exportado, com valor de US$ 264,5 milhões, com participação de 11,36 por cento. As exportações de calçados, em 2018, registrou queda, com variação de -15,4 por cento, influenciada principalmente pela redução da quantidade exportada e pela queda de preço, causado pela desvalorização do real frente ao dólar. A exportação de Alimentos e Bebidas (-6,9 por cento); Couros e peles (-38,3 por cento); Ceras vegetais (-1,6 por cento); Lagostas (-2,99 por cento) e Produtos Têxteis (-7,3 por cento) também apresentaram reduções no valor exportado. Já as vendas externas de Castanha de caju registraram crescimento de 2,8 por cento em 2018, comparado com 2017, indicando uma possível retomada das exportações desse produto. A exportação de Frutas frescas também voltou a crescer (17,6 por cento), puxado principalmente pelas vendas de melões e melancias frescas.

As exportações do Ceará, em 2018, foram representadas por 87,07 por cento de Produtos Industrializados e  apenas 12,0 por cento de Produtos Básicos, mantendo o comportamento semelhante ao verificado em 2017. O principal destino das exportações do Ceará continua sendo os Estados Unidos, com valor de US$ 858,6 milhões e participação de 36,9 por cento. Para o país americano foi enviado principalmente produtos semimanufaturados de ferro ou aço não ligado, Castanha de caju e Máquinas e equipamentos. A Coreia do Sul e Turquia aparecem em segundo e terceiro lugar, com participações de 7,77 por cento e 6,15 por cento, respectivamente. O Ceará ampliou as vendas para esses dois países enviando principalmente produtos semimanufaturados de ferro ou aço não ligado.

São Gonçalo do Amarante foi o município cearense que mais exportou em 2018, respondendo por 59,16% do total exportado pelo estado. Sobral foi o segundo colocado na pauta, seguido de Fortaleza, Maracanaú e Icapuí. Dentre os dez principais municípios cearenses que exportaram em 2018, cinco apresentaram crescimento no valor exportado quando comparado ao ano de 2017, foram eles: São Gonçalo do Amarante, Icapuí, Caucaia, Itapipoca e Aquiraz. Os dez principais municípios cearenses exportadores concentraram 90,88 por cento das exportações de todo Estado. Porém, esses municípios encontram-se melhor distribuídos espacialmente dentro do Ceará, ainda que cinco estejam na Região da Grande Fortaleza. Em 2018, as exportações cearenses foram realizadas por 45 municípios.

 

BRASIL

A balança comercial brasileira apresentou crescimento de 10,17 por cento em 2018 comparado com 2017, atingindo o montante de US$ 239,9 bilhões, o maior desde 2015. As importações também registraram crescimento de 20,22 por cento em 2018 frente ao ano anterior, alcançando o valor de US$ 181,2 bilhões. Mesmo com crescimento superior das importações, o saldo da balança comercial brasileira se manteve positivo em US$ 58,6 bilhões, segundo maior valor de toda a série disponibilizada pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Diante desses valores, a corrente de comércio totalizou o montante de US$ 421,1 bilhões, ou seja, crescimento de 14,3 por cento com relação ao ano anterior. Embora o ano de 2018 tenha começado pessimista para as transações comerciais diante das barreiras impostas pelos Estados Unidos, as exportações brasileiras obtiveram bom desempenho, apresentando vantagem para ampliar as vendas externas tanto para os Estados Unidos, como para a China, principal alvo da guerra comercial americana, visto que o Brasil ficou isento em alguns setores.

Assessoria de Comunicação do Ipece.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *