Dia da Consciência Negra: Fundo Brasil anuncia projetos selecionados no edital de enfrentamento ao racismo

Oito iniciativas de seis estados receberão recursos para realizar ações voltadas à população negra

Neste Dia da Consciência Negra, o Fundo Brasil divulga as oito iniciativas que receberão recursos do edital “Enfrentando o racismo a partir da base: mobilização para a defesa de direitos”, lançado no dia 13 de junho.

Em parceria com a Fundação Open Society, o Fundo Brasil doará R$ 490 mil para os projetos de seis estados que atuam no enfrentamento ao racismo a partir de ações diretas junto à realidade vivida pela população negra. Os selecionados receberão até R$ 70 mil cada deverão realizar suas atividades em um prazo máximo de 18 meses.

Confira as iniciativas selecionadas:

Associação Elas Existem- Mulheres Encarceradas (Rio de Janeiro)

Associação dos Remanescentes do Quilombo Rio dos Macacos (Bahia)

Coletivo Agentes Agroflorestais Quilombolas (AAQ) (Maranhão)

Coletivo Brincadeira de Negão (Bahia)

COMUNEMA – Coletivo de Mulheres Negras Maria-Maria (Pará)

Fórum das Juventudes da Grande BH (Minas Gerais)

Grupo Conexão G de cidadania LGBT de moradores de favelas (Rio de Janeiro)

Rede Nacional de Religiões Afro-brasileiras e Saúde (Pernambuco)

O edital recebeu a inscrição de 465 projetos. As iniciativas foram analisadas por um comitê de seleção externo e independente e também foram submetidas à governança do Fundo Brasil.

O comitê de seleção foi formado pela filósofa e ativista Sueli Carneiro, diretora do Geledés – Instituto da Mulher Negra; Elizandra Souza, ativista do movimento negro e cultural de São Paulo; e Giovanni Harvey, presidente do Conselho Deliberativo do Fundo Baobá.

Realidade da população negra

O Atlas da Violência 2018 mostra que o Brasil atingiu pela primeira vez em sua história o patamar de 30 homicídios por 100 mil habitantes. A taxa foi registrada em 2016 e corresponde a 62.517 homicídios – 30 vezes mais do que o registrado na Europa.

O estudo, realizado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, reforça a seletividade no perfil das vítimas de violência. De todas as pessoas assassinadas no Brasil em 2016, 71,5% eram negras. De 2006 a 2016, o número de negros vítimas de homicídio aumentou 23%, enquanto o de não-negros diminuiu 6,8%.

Também no contexto da violência, os números do feminicídio (assassinato de mulheres por sua condição de gênero) revelam o racismo no país. Entre 2003 e 2013, o número de mulheres negras assassinadas cresceu 54% enquanto o índice de feminicídios de brancas caiu 10% no mesmo período de tempo. Os dados são do Mapa da Violência 2015, elaborado pela Faculdade Latino-Americana de Estudos Sociais.

Sobre o Fundo Brasil

O Fundo Brasil de Direitos Humanos é uma organização independente, sem fins lucrativos e com a proposta inovadora de criar meios sustentáveis para destinar recursos a organizações sociais que lutam pela defesa dos direitos humanos. A partir do apoio financeiro e técnico oferecido a essas organizações, o Fundo Brasil viabiliza o desenvolvimento de projetos de defesa e promoção de direitos humanos em todas as regiões do país, impactando positivamente no dia a dia de milhares de pessoas. Em atividade desde 2006, o Fundo já apoiou mais de 400 projetos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *