Como aumentar a inteligência de negócios no varejo?

O ano mal começou, mas certamente a maior preocupação das empresas é aumentar as vendas num período ainda marcado pela crise. Nesse cenário, é comum que tanto a indústria quanto o varejo recorram a estratégias que vão muito além de promoções que liquidam mercadorias, mas aniquilam os lucros. 

Sendo assim, o jeito é apelar para a inteligência de negócios, que é muito melhor aproveitada se vier carregada de tecnologia. O uso de softwares, por exemplo, é uma tendência. Por meio da captação de informação por sistemas fica muito mais fácil analisar o comportamento do consumidor a fim de influenciá-lo na tomada de decisão pela compra de um produto. Atualmente, até os pequenos varejos já estão investindo nesse tipo de ferramenta. 

Outro recurso que vem expandindo muito são as câmeras escondidas. Elas são capazes de acompanhar o fluxo dentro de um ponto de venda e gerar mapas de calor, apontando os locais mais nobres para a exposição de um produto. Com elas, é possível descobrir para onde o consumidor olha, o que o atrai. Shoppings centers costumam usar essa tecnologia para negociar os melhores aluguéis para os pontos mais estratégicos de circulação. 

Há ainda a possibilidade de realizar “laboratórios” em lojas específicas com um estratégico e heterogêneo grupo de clientes. A ideia é fazer pesquisas focais utilizando tecnologia e criando um ambiente favorável para a exposição de ideias e troca de informações entre profissionais do varejo e consumidores. Dar voz ao cliente é barato, simples e muito eficaz.    

Cabe destacar também a importância de criar uma sinergia entre varejo e indústria. Enquanto um está na ponta, analisando comportamentos e gerando informação, o outro é o que tem a capacidade produtiva, podendo criar produtos que realmente atendam às necessidades e desejos do consumidor. É preciso criar mais parcerias estratégicas entre as duas pontas, gerando ganhos para todos. 

Contudo, infelizmente, tanto o varejo quanto a indústria tendem a achar que tecnologia e inteligência de negócio são ações caras e de complexa implantação. Mas, a verdade é que boas ações nesse sentido podem acarretar em ações estratégicas de marketing muito mais eficientes e financeiramente rentáveis. Para isso, basta realizar um estudo do impacto financeiro relacionado à economia que a assertividade traz quanto se tem informações mais qualificadas. 

Por fim, de nada adianta gerar informação se elas não forem muito bem processadas. O ponto mais importante na inteligência de negócio não é a tecnologia em si – essa é apenas um meio. O que realmente faz a diferença é a interferência humana, analisando as informações e criando ações que gerem resultados. A combinação perfeita entre tecnologia e gestão da informação é o que certamente vai garantir um 2018 com lucros melhores, mesmo em tempos difíceis. Pode apostar. 

 

André Romero é diretor da Red Lemon Agency, agência especializada em comunicação, field marketing e ações promocionais 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial