Bipolaridade é grave, sim. Conheça os tipos de transtornos

De acordo com dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), o transtorno bipolar ou bipolaridade, atinge cerca de 4,2 milhões de brasileiros. Muitas vezes, a doença é confundida com alterações normais de humor, característica comum a qualquer pessoa. Daí a banalização com a bipolaridade, transtorno cujo risco de apresentar comportamento suicida chega a ser 28 vezes maior do que no resto da população. 

 

 

Segundo o psiquiatra Dr. Mario Louzã, Membro Filiado do Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo; há, basicamente, dois tipos de transtorno bipolar: o tipo I, que apresenta quadros de mania e depressão; e o tipo II, com episódios de hipomania e depressão. 

 

No episódio de mania, o portador apresenta euforia intensa, alegria fora do normal, ideias de grandiosidade, elevada autoestima e autoconfiança com perda do bom senso, que pode atingir um grau fora da realidade (delírio). Ao mesmo tempo, a pessoa pode ter irritabilidade, impulsividade e um alto nível de distração. 

 

O pensamento fica acelerado, muitas ideias fluem simultaneamente ou numa sequência rápida, a ponto de a pessoa não conseguir expressar verbalmente. Tem diminuição da necessidade de sono, comportamento sexual excessivo, descontrole nos gastos e atitudes sem a percepção de sua inadequação. 

 

O episódio de hipomania, segundo Louzã, tem características similares ao episódio de mania, porém, os sintomas são mais brandos. 

 

Já o episódio de depressão se caracteriza por tristeza profunda, apatia, ansiedade, fadiga excessiva, falta de energia, pensamentos negativos (culpa, baixa autoestima) que podem ser intensos a ponto de configurar um delírio. Algumas pessoas apresentam insônia, enquanto outras têm hipersonia (dormem mais do que o habitual). 

 

Há mudanças no apetite, na maior parte das vezes, com diminuição da fome e desinteresse pela comida, mesmo em se tratando de alimentos dos quais ela costuma gostar. A pessoa perde a libido e o interesse nas atividades em geral. Nos casos graves de depressão, há ideias de suicídio, muitas vezes, chegando a planejar e tentar o suicídio. 

 

De acordo com o psiquiatra Mario Louzã, o tratamento depende da fase da doença. Os quadros maníacos/hipomaníacos são tratados com estabilizadores do humor, associados ou não aos antipsicóticos. Os quadros depressivos (depressão bipolar) também podem ser tratados com antipsicóticos ou anticonvulsivantes. Os antidepressivos podem ser indicados, porém, tendem a desencadear um quadro maníaco/hipomaníaco. 

 

Os medicamentos estabilizadores do humor, como o lítio, são usados continuamente para evitar ou reduzir as chances de um episódio agudo (mania ou depressão). Os portadores de transtorno bipolar devem também evitar mudanças significativas de horário de sono (manter um horário de dormir e de acordar relativamente constante) e uso de drogas (podem desencadear quadros crônicos). 

 

“Na dúvida quanto à possibilidade de ser portador de transtorno bipolar, o ideal é consultar um médico psiquiatra, que poderá fazer a avaliação dos sintomas, fazer o diagnóstico e indicar os tratamentos adequados”, aconselha Mario Louzã. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial